top of page

O que acontece com o seu sangue após a doação?

Autores: Caroline Silva da Cruz, Caroline Baptista Vasconcellos Hereda de Oliveira, Ester Ferreira Neta e Marvyn Santana.


A primeira etapa do processo de doação do sangue ocorre quando o mesmo é encaminhado para o fracionamento e dividido, por centrifugação, em quatro partes, de acordo com seus componentes.


Separação de hemocomponentes:


1) Eritrocitários: concentrados de hemácias, indicados para tratar anemias e hemorragias agudas. Este componente possui vida útil de 35 a 42 dias.

2) Plaquetário: o concentrado de plaquetas é o responsável pelo mecanismo de coagulação sanguínea. São utilizados para reposição nos casos em que os baixos níveis desse componente colocam o paciente em risco de hemorragia. Diferente dos demais componentes o concentrado plaquetário possui a menor vida útil, com duração de até cinco dias.

3) Plasmático: plasma fresco congelado é a parte líquida do sangue. São componentes indicados no tratamento de pacientes com distúrbios de coagulação, como púrpura trombocitopênica. O armazenamento adequado oferece vida útil de até um ano.

4) Crioprecipitado: é o produto originado do plasma, também responsável pela coagulação. Assim como o plasma, possui vida útil de até um ano.


Com a separação desses componentes, é possível, com uma única doação, salvar a vida de até quatro pessoas, pois cada substrato será enviado para alguém de acordo com as suas necessidades específicas.


Além dos hemocomponentes, existem processos físico-químicos de separação que produzem os hemoderivados em escala industrial, são os fatores de coagulação, albuminas e globulinas. Dessa maneira, é possível ampliar o número de beneficiados com a doação de sangue.


Mas, antes de ser destinadas aos receptores, as amostras de sangue do doador são encaminhadas para os exames sorológicos previstos em lei, com a definição do tipo sanguíneo e o fator Rh. Ou seja, são realizados testes com as amostras para detectar a presença de sífilis, hepatites B e C, doença de Chagas, HIV I, HTLV I e II, além de testes imuno-hematológicos, que identificam o tipo de sangue e suas características específicas. Se os exames sorológicos mostram que o doador está apto, a bolsa de sangue fracionado está aprovada e passa a fazer parte do estoque.


Após serem separados, examinados e testados esses componentes são encaminhados aos hospitais, a fim de atenderem casos de emergência, pacientes internados e pessoas com doenças hematológicas. A figura abaixo resume as etapas até que uma pessoa seja beneficiada com a doação de sangue.




Existe um rigor processual para viabilizar uma doação segura, do qual fazem parte doadores e a equipe de saúde. É importante destacar este aspecto pois a não observância dos cuidados pré-doação podem afetar a vida de muitas pessoas. Além disso, níveis precários de abastecimento dos nossos bancos de sangue, associado a custa vida útil de alguns hemocomponentes podem prejudicar o fornecimento de uma Última Chance para àqueles que lutam bravamente por suas vidas.


Seja defensor desta causa e apoie a missão de salvar vidas. Você pode ajudar através de doações, convidando amigos e compartilhando informações em suas redes sociais.


“Como mudar o mundo?

uma atitude real de amor e carinho de cada vez”



Referências:

Tiscoski, Gabriella. Doação de sangue: benefícios e como realizar a ação no Distrito Federal. g1 DF, Distrito Federal, 23/11/2022. Disponível em: <https://g1.globo.com/df/distrito-federal/noticia/2022/11/23/doacao-de-sangue-beneficios-e-como-realizar-a-acao-no-distrito-federal.ghtml>. Acesso em: 10/05/2023.


Gurgel, Guilherme. O que acontece com o sangue que você doa?. Faculdade de medicina UFMG, minas Gerais, 25/11/2019. Disponível em <https://www.medicina.ufmg.br/o-que-acontece-com-o-sangue-doado/> . Acesso em: 10/05/2023.

46 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page