top of page

CARDIOPATIAS CONGÊNITAS

Autoras: Jhully Anny Fernandes Vilhena, Manuela Moura, Paloma Silva Lopes.



As cardiopatias congênitas (CC) são anormalidades estruturais no coração e nos grandes vasos associados, devido disfunção no desenvolvimento intraútero, esses defeitos podem comprometer em diversos níveis, conforme suas classificações específicas, a funcionalidade do sistema cardiorrespiratório, causando implicações na qualidade de vida do indivíduo. [1]

As CC podem ser classificadas de várias maneiras, contudo são comumente diferenciadas através da presença ou não de cianose. [2]


Acianóticas

As mais comuns desse grupo são: a comunicação interatrial (CIA), abertura no septo atrial, estrutura que se localiza entre as câmaras superiores do coração que são os átrios. E a comunicação interventricular (CIV) que é uma ligação anormal entre os ventrículos, câmaras inferiores do coração, através de uma abertura no septo ventricular. [2,3]


Cianóticas

O que a caracteriza é a presença de cianose, má oxigenação do sangue causando coloração azulada na pele [4], e a mais comum dessa categoria é a Tetralogia de Fallot, termo utilizado devido à combinação das seguintes anomalias [2]:

  • Comunicação interventricular

  • Estreitamento (estenose) da via de saída do ventrículo direito

  • Cavalgamento da Aorta sobre o septo interventricular

  • Hipertrofia ventricular direita


QUAIS OS FATORES DE RISCO?

Histórico Familiar de CC associados a alguns dos seguintes fatores maternos podem ser relacionados ao desencadeamento dessas patologias [1]:

  • Diabetes Mellitus

  • Hipertensão Arterial

  • Obesidade

  • Uso de drogas Lícitas e ilícitas

E são caracterizados como fatores de risco os recém-nascidos- RN [5]:

  • Prematuros

  • Baixo peso ao nascer

  • Gemelaridade


COMO É REALIZADO O DIAGNÓSTICO?

É essencial que o diagnóstico precoce seja realizado. O acompanhamento pré-natal com a realização dos exames de ultrassonografia e ecocardiograma possibilita a identificação de defeitos cardíacos congênitos. [6]

Além disso, a aplicação do teste do coraçãozinho, em que entre 24 e 48 horas de vida é realizada a aferição da oximetria de pulso no membro superior direito e em um dos membros inferiores, se a SpO2 for menor que 95% ou apresentar uma diferença maior ou igual a 3% nos resultados coletados no membro superior direito e membro inferior, o teste será replicado após 1 hora, se o resultado se repetir, um ecocardiograma deverá ser realizado nas próximas 24 horas [7].

Esse teste apresenta grande especificidade para detectar essas cardiopatias, juntamente com o exame clínico do sistema cardiovascular do RN. [6,7]


Você sabia?



Referências:

1. ROSA, Rosana Cardoso M. et al. Cardiopatias congênitas e malformações extracardíacas. Revista Paulista de Pediatria, v. 31, p. 243-251, 2013. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/rpp/a/MZMRxgnmF98zchtLGKJksjR/abstract/?lang=pt#> Acesso em: 02 de jun. de 2022.


2. FERREIRA, José Paulo. Pediatria: Diagnóstico e tratamento.2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.


3. BORN, Daniel. 8. Cardiopatia congênita. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 93, n. 6, p. 130-132, 2009.


4. Porto Editora – cianose no Dicionário infopédia de Termos Médicos [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-03 08:58:36]. Disponível em:< https://www.infopedia.pt/dicionarios/termos-medicos/cianose> Acesso em: 02 de jun. de 2022.


5. Lopes SAVDA, Guimarães ICB, Costa SFO, Acosta AX, Sandes KA, Mendes CMC. Mortality for Critical Congenital Heart Diseases and Associated Risk Factors in Newborns. A Cohort Study. Arq Bras Cardiol. 2018 Nov;111(5):666-673. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30281694/>. Acesso em: 02 jun. de 2022.


6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Síntese de evidências para polítcas de saúde: diagnóstco precoce de cardiopatas congênitas / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Ciência e Tecnologia. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.


7. BRASIL. Ministério da Saúde. Teste do coraçãozinho (oximetria de pulso) na triagem neonatal. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos - DGITS/SCTIE. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n° 115. Disponível em: https://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/11/875369/testecora caozinho-final.pdf. Acesso em: 02 de jun. de 2022.

96 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page